Que tipos de marijuana existem? Espécies, estirpes e variedades de cannabis

Tipos de marijuana num dispensário. Cada variedade de marijuana tem propriedades únicas.

Os tipos de marijuana são confusos e não existe consenso quanto à sua classificação. Mesmo com uma simples pesquisa na Internet, ficamos surpreendidos por encontrar informações totalmente obsoletas nos primeiros resultados. E isso é normal: nem mesmo os cientistas estão de acordo.

No post de hoje, vai ficar a saber o que são tipos, estirpes e variedades de canábis. Explicaremos porque é que “indica”, “sativa” e “ruderalis” já não são utilizadas e descobrirá como obter os tipos de marijuana de alta qualidade que pode comprar atualmente.

Introdução aos tipos de marijuana: espécies, estirpes e variedades

A planta de canábis é incrivelmente diversificada em termos de genética e aparência. Cada planta tem uma combinação única de genes que resulta em diferenças de forma, tamanho, cor, teor de canabinóides e aromas. Esta diversidade genética permite que a planta produza uma grande variedade de compostos e dê origem a plantas muito diferentes.

Ao longo dos séculos, os seres humanos aproveitaram esta caraterística da canábis para fazer experiências com a planta através de cruzamentos e melhoramentos genéticos, o que resultou na Flores com CBD pode encontrar na nossa Loja de cannabisbem como centenas de outros tipos de marijuana THC e não-THC, de todas as formas e cores imagináveis.

O que é exatamente um tipo de marijuana?

Quando falamos de tipos de marijuana, referimo-nos a uma combinação de termos inter-relacionados: as espécies, as estirpes e as variedades de canábis. Estes conceitos estão intimamente ligados e são utilizados para descrever as diferentes categorias que existem no mundo da marijuana.

Espécies de canábis: Sativa, Indica e Ruderalis

Todas as variedades de canábis, incluindo o cânhamo industrial e a marijuana, pertencem à mesma espécie: Cannabis sativa. Embora existam diferenças entre estas plantas, todas elas podem cruzar-se e produzir descendentes férteis, o que, por definição, faz delas a mesma espécie (1). Por conseguinte, é totalmente excluída a existência de três espécies de canábis(Cannabis sativa, Cannabis indica, Cannabis ruderalis).

A separação em espécies de acordo com a forma das folhas da marijuana ou a altura da planta também não é correcta (1, 2). Na Internet, é possível encontrar páginas que mencionam a existência das três espécies sativa, indica e ruderalis. Embora desactualizada, não se trata de uma informação absurda: tem uma base histórica interessante. Com base numa das monografias actuais mais pormenorizadas sobre a classificação da cannabis (1), resumimo-la a seguir:

Cannabis sativa: A única espécie aceite

O cânhamo era antigamente utilizado na Europa para a obtenção de fibras, sementes e óleo. Em 1753, Linnaeus chamou à planta Cannabis sativa (“sativa” = cultivada). Mais tarde, em 1785, o botânico Lamarck descreveu um tipo de canábis da Índia que era utilizado para fins narcóticos e que tinha botões grandes, chamando-lhe Cannabis indica (“indica” = da Índia). As diferentes utilizações da planta levaram ao desenvolvimento de variações genéticas e de características diferentes. Por outras palavras, a domesticação da canábis deu origem a plantas aparentemente diferentes.

Mas a domesticação, segundo os taxonomistas e o próprio Linnaeus, não dá origem a novas espécies, mas a variações dentro da mesma espécie. Por esta razão, Cannabis sativa é o único nome aceite para a planta da canábis. planta de canábis que inclui tanto o cânhamo industrial como os diferentes tipos de marijuana. Entrámos em mais detalhes sobre o assunto no post sobre as diferenças entre cânhamo e marijuana .

Cannabis indica: o tipo de marijuana descoberto por Lamarck na Índia

A Cannabis indica não é uma espécie botânica aceite, embora tenha sido proposta como uma subespécie para designar plantas com elevado teor de THC (o composto psicoativo da marijuana) e moderado teor de canabidiol (CBD).

Por outro lado, a nível comercial, diz-se que as estirpes de “efeito indica” têm efeitos relaxantes para o corpo, para o alívio da dor, dainsónia e da ansiedade. Em contrapartida, fala-se também de estirpes com “efeito sativa”: estirpes com elevado teor de THC, com efeitos mentais estimulantes e eufóricos, utilizadas para aliviar o stress, a depressão e a falta de apetite. Em todo o caso, os alegados efeitos sativa e indica são conceitos que estão para além da botânica, são alegações puramente comerciais e são também controversas. Se estiver interessado, falamos sobre isso na secção diferenças entre indica e sativa .

Cannabis ruderalis: uma designação obsoleta

A Cannabis ruderalis é uma espécie proposta pelo botânico russo Yanischevsky em 1924 a partir de espécimes de canábis selvagem que cresciam espontaneamente fora das plantações. Estas plantas estavam adaptadas a estações curtas e, por conseguinte, não tinham tempo para crescerem grandes e vigorosas. Atualmente, a espécie é considerada C. ruderalis não existe (nem como espécie, nem como subespécie ou variedade), mas simplesmente como plantas de canábis que se desenvolveram num ambiente de stress (note-se que até o próprio Yanischevsky observou que as plantas da sua suposta espécie atingiam alturas de 2 metros ou mais quando eram bem fertilizadas).

Então, como é que designamos as plantas de canábis selvagens? Como resumido por De Meijer (4), a atual planta da canábis é o resultado de um longo, extenso e complexo processo de domesticação pelo homem. A atual hibridação, mistura ou variação genética é tão grande que qualquer padrão evolutivo natural se esbateu. Por conseguinte, é questionável se existem atualmente tipos “verdadeiramente” selvagens de marijuana.

Informações essenciais: com o que deve ficar

Uma vez que só existe uma espécie de Cannabis sativa, quando falamos de “tipos de marijuana” estamos a falar de variedades comerciais e não de qualquer conceito botânico. Na vida quotidiana, as variedades são os termos mais comuns para designar os tipos de marijuana.

Tipos actuais de marijuana: Estirpes e variedades de marijuana

Todos os tipos de marijuana que conhecemos foram conseguidos através de um processo de melhoramento genético chamado seleção artificialem que os produtores e criadores cruzar certas plantas de canábis para obter as características desejadas, como flores com botões grandes, perfis canabinóides específicos (predominância de THC, CBD, etc.), resistência a doenças e rendimento. Isto levou à criação de variedades como a Blue Dream CBD, conhecida pelo seu sabor doce e frutado, com notas de mirtilos e bagas.

Esta evolução deve-se a uma combinação de vários factores, incluindo a genética das plantas, juntamente com a melhoria das condições e técnicas associadas ao tipo de cultura.

Diferenças entre variedade e estirpe de marijuana

A diferenciação entre estirpes e variedades pode ser complicada, devido à falta de terminologia padrão e à influência da linguagem comum na indústria da canábis. Na maior parte das vezes, os termos são utilizados indistintamente.

Em princípio, as variedades de marijuana representam uma linha genética específica, enquanto as variedades são uma subdivisão baseada nas características físicas e no teor de canabinóides. Ao contrário das estirpes, as variedades não estão necessariamente ligadas a uma linha genética específica.

Cada variedade tem o seu próprio nome e é considerada única em termos de genética e perfil químico: Purple Haze, White Widow…

Ou, pelo menos, é essa a teoria. A análise de diferentes produtos no mercado recreativo da marijuana (3) mostrou que a maioria dos tipos de marijuana com o mesmo nome têm genéticas diferentes. Isto deve-se ao facto de as denominações comerciais não seguirem uma classificação normalizada. No final, são os viticultores que baptizam as vinhas de acordo com os seus próprios critérios. Isto significa que existem 40 Purple Haze no mercado com genéticas totalmente diferentes.

A nível comercial, A palavra “variedade” é frequentemente utilizada para designar as variedades de marijuana ou para indicar a descendência de uma determinada variedade.: variedades roxas (marijuana roxa), estirpes brancas (Existem várias variedades míticas de marijuana que ganharam um estatuto lendário na comunidade canábica mundial. Algumas das mais reconhecidas incluem a Skunk #1, a Haze, a White Widow, a OG Kush e a Purple Haze.

Marijuana Kush: Saiba mais sobre esta variedade de Cannabis indica.

Criação de marijuana

Este processo de melhoramento genético da marijuana é conhecido como reprodução melhoramento da marijuana. O melhoramento moderno beneficia dos avanços da genética e da biotecnologia, mas, na realidade, o melhoramento da marijuana é muito mais antigo: tem sido feito de forma secreta e empírica, em armários, garagens e caves, durante a maior parte da história moderna da canábis.

Atualmente, o cultivo da marijuana registou avanços significativos devido à legalização e regulamentação do seu cultivo em diferentes países. Graças à tecnologia atual e ao valioso património genético de anos de cultivo clandestino, foi possível desenvolver novos tipos de marijuana com perfis químicos nunca antes vistos. Assim, a marijuana passou de 4% para 35% de THC em menos de três décadas.

A diversidade dos tipos de marijuana reflecte-se na vasta gama de aromas, formas e cores atualmente disponíveis no mercado. Alguns exemplos incluem estirpes como: Lemon Haze CBD (aroma cítrico), Zkittlez CBD (doce como os rebuçados Skittles®), Gorilla Glue CBD (para o cheiro a cola) e Sour Diesel CBD (gasóleo ácido).

Como se desenvolvem os diferentes tipos de marijuana?

Tipos de marihuana en un dispensario. Cada variedad de marihuana tiene unas propiedades únicas.

As variedades actuais de marijuana foram desenvolvidas através de seleção artificial, ou seja, seleccionando plantas com as características desejadas para produzir descendência igual. Aqui, explicamos-lhe o processo:

1 – Seleção dos pais

A marijuana é uma planta dióica, o que significa que tem espécimes masculinos e femininos. Para se reproduzirem, é necessário cruzá-las, de modo a que a planta fêmea produza sementes com uma mistura genética de ambas. Por isso, o primeiro passo é selecionar as plantas de marijuana macho e fêmea que servirão de pais para o cruzamento. Estas plantas são estirpes seleccionadas por apresentarem características desejadas, como o aroma, o teor de canabinóides ou o crescimento vigoroso.

2 – Cruzamento de variedades

Uma vez seleccionados os progenitores, procede-se ao cruzamento. Este processo envolve a polinização controlada da planta fêmea. As flores femininas das plantas femininas de marijuana (os botões) são fertilizadas com pólen das plantas masculinas para produzir sementes. Cada semente pode herdar diferentes características genéticas, resultando em alguma diversidade genética na descendência.

3 – Observação e seleção de características

Após o cruzamento, as plantas filhas resultantes devem ser cuidadosamente observadas. Cada semente tem o potencial de se desenvolver numa planta com características únicas, embora possam apresentar semelhanças. É preciso ver se a descendência tem as características específicas que procuras, tais como uma maior produção de resina ou um aroma particular. As plantas que apresentam as características desejadas são seleccionadas para posterior cruzamento e reprodução.

4 – Estabilização da linha genética

Uma vez seleccionadas as plantas com as características desejadas, procede-se à estabilização da linha genética. Isto implica cruzamentos entre plantas seleccionadas ao longo de várias gerações, a fim de fixar as características genéticas desejadas e minimizar a variabilidade possível.

5 – Testes e aperfeiçoamento

Durante o processo de desenvolvimento dos tipos de marijuana, são efectuados testes exaustivos para avaliar a qualidade e a consistência das características desejadas. Isto implica o cultivo das plantas em diferentes condições e a realização de análises laboratoriais para determinar os perfis de canabinóides e terpenos.

6 – Reprodução e distribuição

Uma vez estabilizada e refinada a linha genética, começa a criação e a distribuição das novas variedades de marijuana. Isto envolve a produção e comercialização de sementes através de bancos de sementes.

As melhores variedades de flores CBD da Europa

Sobre Cannactiva desenvolvemos as as melhores flores CBD da Europa :

Debate: Controvérsia sobre a classificação dos tipos de marijuana

A classificação dos diferentes tipos de marijuana é uma questão complexa e controversa. Não há consenso sobre a forma de classificar os diferentes tipos de canábis e não há perspectivas de acordo. Mesmo o pai da taxonomia, Linnaeus, estava relutante em aplicar um método binomial a espécies domesticadas que podem ter formas diferentes das espécies selvagens, como a canábis. O debate remonta a séculos: já tinha sido levantado por Charles Darwin em “A Origem das Espécies”.

Proposta: Subespécies e variedades para classificar os tipos de canábis

Em 1976, Small e Cronquist propuseram agrupar os tipos de marijuana em subespécies e variedades de acordo com o seu teor de THC e a sua origem (plantas cultivadas ou selvagens). Esta poderia ser a primeira aproximação à ideia atual de quimiotipo. Foi proposto:

  • A subespécie “sativa” para plantas com baixo teor de THC (0,3-1%) e, portanto, com efeitos não psicoactivos: C. sativa subsp. sativa var. indica (cultivada com baixo teor de THC) e C. sa tiva subsp. sativa var. spontanea (selvagem com baixo teor de THC).
  • A subespécie “indica” para plantas com elevado teor de THC e efeitos psicoactivos intensos: C. sativa subsp. indica var. indica (plantas cultivadas com elevado teor de THC) e C. sativa subsp. indica var. kafiristanica (plantas selvagens com elevado teor de THC).

Embora seja possível ver este nome em alguns estudos, na grande maioria das vezes apenas é utilizado o nome da espécie Cannabis sativa L..

Proposta: Estirpes para classificar os tipos de marijuana

A indústria da marijuana utiliza muito o termo “estirpes” para se referir a genéticas específicas ou para publicitar a descendência de uma determinada estirpe.

Uma vez que não existe consenso sobre uma classificação “oficial”, os bancos de sementes de marijuana rotulam cada variedade com um nome de estirpe e um código. Esta informação está associada a dados como a genética, o teor de canabinóides, o aroma e o período de floração. Isto ajuda a diferenciar os tipos de marijuana oferecidos pelas suas características e permite que os produtores seleccionem as sementes de acordo com as suas preferências.

A utilização de nomes de estirpes ou variedades para identificar diferentes tipos de marijuana é muito útil para os cultivadores.

Mas não existe uma genética “universal” que defina uma White Widow ou uma Purple Haze. Isto reflecte-se na análise das diferentes variedades de marijuana vendidas nos dispensários dos Estados Unidos, que revela que cada variedade comercial tem uma genética e uma composição diferentes, apesar de ter o mesmo nome (3).

Cada banco de sementes tem estirpes e variedades com características únicas, que podem ser diferentes das de outro banco de sementes, mesmo que tenham a mesma marca.

Assim, embora o sistema de estirpes e variedades comerciais seja útil e seja atualmente utilizado para, por exemplo, prever o resultado de uma colheita, não existe uma definição padrão ou uma classificação “universal” das estirpes de marijuana: cada banco de sementes ou produtor utiliza a sua própria.

Proposta: Quimiotipo para classificar os tipos de marijuana

A quimiotipagem é uma forma de classificar os diferentes tipos de marijuana de acordo com o seu perfil químico, ou fenótipo químico, ou seja, as concentrações de canabinóides y terpenos presentes na resina ou no óleo essencial.

Esta proposta parece ser a mais aceite pela comunidade científica porque é apresentada como uma forma normalizada de distinguir as variedades. É muito útil, por exemplo, em estudos sobre a canábis medicinal. Este seria um primeiro passo para investigar as interacções dos diferentes componentes da cannabis no seu efeito terapêutico, conhecido como efeito de comitiva.

Em poucas palavras…

  • A grande maioria dos cientistas e especialistas concorda que existe apenas uma espécie: Cannabis sativa L. Existem propostas de classificação alternativas, como as subespécies “indica”, “sativa” e diferentes variedades, mas o quimiotipo parece ser a abordagem mais aceite.
  • A nível comercial, são utilizados nomes de variedades e estirpes de marijuana. Estas categorias são úteis e práticas, e amplamente utilizadas pelos produtores. Cada banco de sementes desenvolve e nomeia as suas próprias genéticas (não são “universais” ou “standard”).
  • Os tipos de marijuana que vê nas lojas são o resultado de reprodução que permitiu desenvolver variedades com perfis genéticos e químicos incríveis.

Eis os diferentes tipos de marijuana, todas as informações e a controvérsia em torno deste assunto, que não é propriamente breve. Esperamos que tenha aprendido com esta viagem pelas variedades de canábis. Agora só lhe resta experimentar os diferentes tipos de marijuana com as suas próprias mãos!

Referencias
  1. Small, Ernest (2015). Evolução e classificação da Cannabis sativa (maconha, cânhamo) em relação à utilização humana. The Botanical Review, 81(3), 189-294. doi:10.1007/s12229-015-9157-3
  2. Vergara D, Feathers C, Huscher EL, Holmes B, Haas JA, Kane NC. As associações fenotípicas amplamente assumidas na Cannabis sativa carecem de uma base genética partilhada. PeerJ. 2021 Apr 20;9:e10672. doi: 10.7717/peerj.10672. PMID: 33976953; PMCID: PMC8063869.
  3. Smith CJ, Vergara D, Keegan B, Jikomes N. The phytochemical diversity of commercial Cannabis in the United States (A diversidade fitoquímica da canábis comercial nos Estados Unidos). PLoS One. 2022 May 19;17(5):e0267498. doi: 10.1371/journal.pone.0267498. PMID: 35588111; PMCID: PMC9119530.
  4. De Meijer, E.P.M. Os Fenótipos Químicos (Quimiotipos) da Cannabis. Pertwee, R., Ed., Handbook of Cannabis, 2014. Oxford University Press, Oxford, 89-110. https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199662685.003.0005

Informações sobre os tipos de marijuana (perguntas frequentes)

Quantos tipos de marijuana existem?

Os tipos de marijuana podem ser classificados de várias formas. De acordo com o seu nome botânico, existe apenas uma espécie Cannabis sativa L. (os nomes Cannabis ruderalis e Cannabis indica são obsoletos e não são aceites). Dependendo da sua genética, há tipos de canábis que estão mais próximos das plantas de cânhamo industrial do que das plantas de tipo marijuana. Dependendo do tipo de cultivo, se foi feito no interior, no exterior ou em estufa.
Dependendo dos efeitos que produz, quer lhe seja atribuído um efeito indica ou sativa, sedativo ou energético. De acordo com os nomes comerciais das variedades de marijuana, embora não sejam um método muito fiável de as agrupar. De acordo com a sua denominação legal, as plantas com uma determinada percentagem de THC são automaticamente consideradas drogas ilegais. Isto traz problemas mesmo para os produtores de cânhamo industrial que excedem os limites legais ridiculamente elevados de THC.

Quais são as origens dos diferentes tipos de marijuana?

Todas as plantas de marijuana têm um antepassado comum, a planta Cannabis sativa. As técnicas agrícolas levaram ao desenvolvimento de diferentes tipos de plantas, com genética e fenótipos diversos, permitindo um mercado extraordinariamente rico de variedades de canábis.

Qual é o tipo de marijuana mais potente?

Se pensa que a marijuana mais potente é a que tem o teor de THC mais elevado, provavelmente está enganado. Não há forma de adivinhar o tipo de marijuana mais potente, porque o efeito depende de vários factores, como a variedade e a quantidade de diferentes compostos que contém (efeito de comitiva). Além disso, podem ser observadas diferenças inter-individuais, consoante o consumidor.

O que é a canábis feminizada?

A marijuana feminizada é um tipo de semente em que falta o cromossoma Y. A planta da canábis, tal como os humanos, tem cromossomas sexuais, sendo que as fêmeas são XX e os machos XY. A planta também tem indivíduos monóicos que parecem ter cromossomas muito semelhantes aos das fêmeas. Tanto os machos como as fêmeas de algumas variedades podem produzir flores do sexo oposto quando tratados com produtos químicos como o nitrato de prata ou o ethephon (ou mesmo quando o regime de luz ou a temperatura são alterados), o que se designa por inversão do sexo. Quando uma fêmea é fecundada com o seu próprio pólen ou com o pólen de outra fêmea após a inversão sexual, as sementes produzidas não têm um cromossoma Y. Estas sementes são designadas por feminizadas, uma vez que não são susceptíveis de produzir machos. Agora, há uma possibilidade, embora aparentemente baixa, de que estas fêmeas feminizadas possam produzir pólen ou sejam monóicas, mas geralmente as sementes feminizadas prometem uma probabilidade de 99,9% de obter apenas plantas femininas. Sem dúvida, as sementes feminizadas são a escolha preferida dos produtores que querem maximizar os seus rendimentos e certificar-se de que não perdem nenhum botão.

O que são as variedades de canábis CBG?

O CBG ou canabigerol é um dos vários canabinóides da canábis, considerado o precursor dos canabinóides THCA e CBDA, descobertos recentemente. Tal como todos os canabinóides, a planta produz este ácido numa forma ácida, conhecida como ácido canabigerólico (CBGA). Este, quando aquecido, muda para a sua forma neutra CBG devido à descarboxilação. As variedades de canábis ricas em CBG são aquelas que foram desenvolvidas seletivamente pelo seu maior teor de CBG, como a White CBG, a Super Glue CBG e a Jack Frost CBG. Além disso, as plantas jovens de marijuana têm um teor mais elevado de CBG, devido à transformação do CBG noutros canabinóides nas plantas mais desenvolvidas.

O que é a canábis autoflorescente?

As variedades de canábis autoflorescentes são um tipo especial de plantas que não precisam de luz solar ou de uma mudança de fotoperíodo para começar a florescer. Em vez disso, começam a florescer depois de atingirem uma idade determinada pela variedade, entre 27 e 45 dias.

Dra. Daniela Vergara
Investigadora y catedrática | Especialista en cultivos emergentes y consultora de cannabis

Mi Cesta0
There are no products in the cart!
Continue shopping
Conversa aberta
1
Precisa de ajuda?
Olá!
Podemos ajudar-vos?
Atenção Whatsapp (segunda a sexta-feira/ 11am-18pm)