A história do Clube Des Hashischins. O Clube do Haxixe de Paris

Clube Hashishins

Durante a década de 1840, em Paris, um grupo seleto de escritores e artistas franceses proeminentes, como Théophile Gautier, Charles Baudelaire, Eugène Delacroix, Alexandre Dumas e Victor Hugo, aventurou-se a experimentar a haxixeinspirado em relatos de soldados franceses no Norte de África e nas histórias de As Mil e Uma Noites.

Fascinados pelas experiências místicas e pela possibilidade de transcender a realidade através do consumo de haxixe, fundaram o Club Des Hashischins. Esta elite artística realizou sessões mensais, registando as suas experiências, tanto positivas como críticas, em vários artigos e livros. Esta é uma história verdadeira.

História do Hashish Club: um encontro de almas inquietas

Era uma noite fria de dezembro em Paris quando, após ter recebido uma carta com tons misteriosos, decidi dirigir-me a uma morada que me era desconhecida. A curiosidade apoderava-se de mim a cada passo que dava em direção à Île Saint-Louis, uma das duas ilhas naturais no coração da cidade, no meio do Sena, onde o tempo parecia ter congelado.

Quando cheguei, uma antiga mansão, o Hôtel Pimodan, erguia-se majestosamente diante dos meus olhos, como uma memória do passado que resiste à investida do presente. Este era o local secreto do famoso Club des Haschischins em Paris.

Depois de entrar pelas suas portas, fui imediatamente abraçado por uma atmosfera carregada de mistério e emoção. Ali, sentados em círculo e em animada conversa, encontravam-se os génios literários e artísticos da época: Victor Hugo, Alexandre Dumas, Charles Baudelaire, Eugène Delacroix, Gustave Flaubert, Théophile Gautier, Honoré de Balzac, Gérard de Nerval, Arthur Rimbaud e outros cujas obras tinham adornado as mesas de cabeceira de muitos leitores.

Os membros do clube partilhavam uma paixão comum: a exploração da mente e da alma através de experiências induzidas pelo haxixe.

Por esta altura, graças às expedições de Napoleão ao Egipto no final do século XVIII e início do século XIX, e à conquista francesa da Argélia entre 1830 e 1847, o haxixe tinha começado a ganhar popularidade na Europa, especialmente entre os círculos literários, artísticos e científicos.

Com a cautela e o respeito devidos a qualquer substância que altere a perceção, foi-nos apresentada uma pequena quantidade de dawamesc, uma pasta comestível esverdeada feita de resina de canábis misturada com gordura, mel e pistácios, tradicional da Argélia. O sabor era amargo mas doce e, em breve, a iguaria começou a fazer a sua magia nas nossas mentes.

As paredes do Hotel de Lauzun começam a vibrar com a mudança de cores e formas, enquanto as conversas se tornam cada vez mais profundas e filosóficas. As fronteiras entre a realidade e a fantasia foram esbatidas e todos partilharam os seus sonhos, medos e desejos mais profundos.

No meio desta euforia, lembrei-me das palavras do Dr. Jacques-Joseph Moreau, que, depois de estudar os efeitos do haxixe durante as suas viagens pelo Egipto, Síria e Ásia Menor, concluiu que esta substância oferecia uma janela para o sono, a alucinação e o delírio.

Mas, apesar das experiências maravilhosas, o clube foi também um lembrete da importância de manter a mente clara. Como disse Gautier, “o verdadeiro escritor precisa apenas dos seus sonhos naturais”.

Henri Fantin-Latour. Coin de table, em 1872
Un coin de table (Um canto de mesa), de Henri Fantin-Latour, 1872. Aparecem alguns membros do Clube Des Hashashin.

O legado do Clube Hashischins

Com o tempo, o Hashish Club dissolveu-se, mas o seu legado perdura. Não se trata tanto da substância em si, mas da constante procura humana de se compreender a si próprio, de se ligar aos outros e de transcender as barreiras da realidade quotidiana.

Hoje é uma boa altura para recordar o espírito desse clube privado em Paris, em meados do século XIX: curiosidade, respeito, ligação com as pessoas e consigo próprio, e descoberta através da experimentação .

Numa atmosfera carregada de mistério e criatividade, estes visionários procuraram transcender os limites convencionais da perceção e mergulhar nas profundezas desconhecidas do espírito. Inspirado pelo exotismo do Oriente e pelo desejo de compreender a natureza humana de uma perspetiva diferente, o Clube dos Hashischins tornou-se um símbolo do desejo intelectual de quebrar fronteiras, não só na arte e na literatura, mas também na compreensão de si próprio e do mundo que nos rodeia.

As sessões de haxixe e as experiências do Club des Hashischins deixaram uma marca nas obras dos seus membros. Théophile Gautier descreveu a sua experiência em “O Clube dos Hachichins” (1846). Charles Baudelaire, em “Os Paraísos Artificiais“explorou o mundo das drogas, destacando tanto os seus perigos como as suas sensações. Em 1845, o Dr. Jacques-Joseph Moreau, por seu lado, efectuou uma das primeiras análises científicas do haxixe em “…”.Haxixe e alienação mental“.

Gaetano Previati pintou Os Fumadores de Haxixe em 1887, uma representação visual vívida e colorida de pessoas envolvidas no ato de fumar haxixe, com uma paleta de cores e um estilo que capta a atmosfera etérea e sonhadora associada ao efeito da droga. Embora não esteja diretamente relacionado com o clube, é um exemplo de como o tema do consumo de haxixe e das experiências perceptivas alteradas capturou a imaginação dos artistas e escritores europeus durante o século XIX.

Previati Gaetavo - Fumadores de haxixe
Os Fumadores de Haxixe, Gaetano Previati, 1887.

Esta pintura reflecte o interesse e o fascínio da época por temas exóticos e místicos e está de acordo com a tendência da época para explorar e representar o oriental e o desconhecido na arte.

O interesse em explorar e narrar os efeitos do haxixe foi um fenómeno que ultrapassou fronteiras no século XIX, testemunhando a curiosidade de muitos artistas em explorar os limites da mente e da consciência. Do outro lado do oceano, alguns anos mais tarde, Fitz Hugh Ludlow publicou “The Hasheesh Eater” em 1857, que também relata as suas experiências depois de a ter consumido.

Inspirar-se

Da próxima vez que se reunir com amigos, seja para partilhar um momento de descontração ou apenas para conversar, lembre-se do espírito do Clube Hashischins. Mergulhe nas profundezas da sua mente, ouça com o seu coração e deixe-se surpreender pelo momento.

Afinal, como dizia Baudelaire, “é preciso estar sempre bêbedo. De vinho, de poesia ou de virtude, como queiras. Mas embebeda-te”. E se essa intoxicação vier de uma boa conversa, melhor ainda. Esperamos que esta história o tenha inspirado. Até breve, Cannactivist!

Cannactiva
En Cannactiva queremos cambiar la perspectiva sobre el cannabis. Te traemos lo mejor de la planta a través de nuestros productos y de los posts que puedes leer en nuestro [...]

Mi Cesta0
There are no products in the cart!
Continue shopping
Conversa aberta
1
Precisa de ajuda?
Olá!
Podemos ajudar-vos?
Atenção Whatsapp (segunda a sexta-feira/ 11am-18pm)